Cia Acômica
Belo Horizonte, MG

A Cia. Acômica se firmou no cenário artístico mineiro, nos últimos doze anos, como um importante núcleo de investigação teatral, através de sua extensa pesquisa sobre uma didática própria de formação do ator que, associada a suas criações artísticas, trouxe reconhecimento e convites para representar o Estado e o Brasil em relevantes eventos culturais. 

Desde a sua fundação, a Cia. desenvolve treinamentos e estudos sistemáticos, pautados em técnicas que servem à preparação psico-física do ator. A Biomecânica de Meyerhold, a Mímica Corporal Dramática de Etienne Decroux e a Capoeira Angola são algumas dessas técnicas, para as quais foram estabelecidas parcerias com profissionais reconhecidos do Rio de Janeiro e de São Paulo ao longo dos últimos anos. A absorção de tais técnicas no embate das experiências dos integrantes durante suas vivências criativas e nas práticas de montagem da Cia. resultou em uma metodologia de trabalho própria. A inquietação e os objetivos dos integrantes da Cia. sempre tiveram como foco a busca de uma linguagem particular, centrada na figura do ator. Tomando como base, então, uma interpretação não-realista e a utilização cênica de espaços convencionais e não-convencionais, o grupo visa uma linguagem legitimamente brasileira e à criação de dramaturgias próprias que possibilitam uma reflexão sobre a nossa realidade.

Uma prática em suas construções artísticas é a pesquisa in loco, num confrontamento de idéias e realidades, promovendo discussões internas e externas. Nessas práticas, a Cia. Acômica associou-se a importantes pesquisadores, criadores, teóricos e entidades do teatro brasileiro como Eid Ribeiro, Fernando Mencarelli (UFMG), Sara Rojo (UFMG), Ana Teixeira e Sthephane Brodt (Amok Teatro), Maria Thaís L. Santos do Balagã (USP), Rodrigo Campos, Grupo Giramundo, Galpão Cine Horto, Luis Alberto de Abreu, Rita Gusmão (UFMG), entre outros, dando origem a seus espetáculos.

Esses processos criativos, percorridos pelo grupo, resultaram em cinco espetáculos, tendo quatro deles em repertório. Em sua estréia, a Cia. Acômica apresentou “As Criadas”, de Jean Genet, com direção de Raquel de Albergaria. A montagem obteve sucesso de crítica e público. Em 99, é apresentado “Anjos e Abacates”, texto de Eid Ribeiro e direção de Kalluh Araújo, projeto vencedor do Prêmio Coca-Cola de Teatro, na cidade de São Paulo. Em 2001, a Cia. Acômica monta, cria e apresenta o espetáculo “Lusco-Fusco ou Tudo Muito Romântico”, com direção de Eid Ribeiro, chegando a representar o Brasil no FIT de Caracas. Já o “Arena de Tolos” é resultado de uma pesquisa sobre o processo colaborativo, no projeto Cena 3 x 4, do Galpão Cine Horto. Este projeto teve a orientação do dramaturgo Luís Alberto de Abreu, do diretor Antonio Araújo e do Prof. Doutor Fernando Mencarelli. No 2º semestre de 2006, a Cia. Acômica estreou o espetáculo “O Sexo Não Floresce na Monotonia”, projeto contemplado pelo prêmio Funarte Myriam Muniz de Teatro, com direção de Fábio Furtado.

Em 2007, o grupo lança o livro "Cia. Acômica - Na Sala dos Espelhos", um registro dos dez anos da companhia, que reúne, em seu conteúdo, parceiros e colaboradores, a fim de comemorar uma década de atividades teatrais desenvolvidas. Profissionais reconhecidos na área de artes cênicas são convidados a escrever artigos registrando suas experiências.Maria Thaís tece considerações acerca da trajetória de uma companhia de atores no Brasil, inserindo uma visão baseada no contexto nacional. Sara Rojo, por sua vez, faz uma análise do espetáculo "Lusco-Fusco ou Tudo Muito Romântico", destacando o texto do mesmo e o processo pelo qual passou, em seu desenvolvimento. Fernando Mencarelli faz também uma análise do teatro de grupo, evidenciando a importância da Cia Acômica para o cenário artístico mineiro. Em 2008, circulou com o espetáculo "Arena de Tolos" pelas cidades de Juiz de Fora, Montes Claros, Ipatinga, João Monlevade e Sabará.

Cia Acômica possui uma sede desde 2003, onde guarda materiais, figurinos e equipamentos. Este espaço serve também para treinamento, ensaios e pesquisa interna dos atores. Em 2007 realizou oficina "A pedagogia do Ator" com Luís Lerro, e o espaço foi cedido para ensaios e criação do espetáculo "O ar da história", de Poliana Costa, e das cenas "A debutante" e "O homem do fusca", projetos selecionados e apresentados no Cenas Curtas do Galpão Cine Horto de 2007 e 2008, com direção de Cláudio Márcio. Em 2006, abriu as portas do espaço para o ensaio aberto e a demonstração de processos do projeto Brasil-Itália. Ainda de 2008 a Cia. Acômica foi contemplada pelo prêmio Cena Minas e desenvolve na sua sede oficinas de Iniciação Teatral, Capoeira, Núcleo de Arte e Educação, além da apresentação de espetáculos.

Esses processos criativos, percorridos pelo grupo, resultaram em cinco espetáculos, tendo quatro deles em repertório. Em sua estréia, a Cia. Acômica apresentou “As Criadas”, de Jean Genet, com direção de Raquel de Albergaria. A montagem obteve sucesso de crítica e público. Em 99, é apresentado “Anjos e Abacates”, texto de Eid Ribeiro e direção de Kalluh Araújo, projeto vencedor do Prêmio Coca-Cola de Teatro, na cidade de São Paulo. Em 2001, a Cia. Acômica monta, cria e apresenta o espetáculo “Lusco-Fusco ou Tudo Muito Romântico”, com direção de Eid Ribeiro, chegando a representar o Brasil no FIT de Caracas. Já o “Arena de Tolos” é resultado de uma pesquisa sobre o processo colaborativo, no projeto Cena 3 x 4, do Galpão Cine Horto. Este projeto teve a orientação do dramaturgo Luís Alberto de Abreu, do diretor Antonio Araújo e do Prof. Doutor Fernando Mencarelli. No 2º semestre de 2006, a Cia. Acômica estreou o espetáculo “O Sexo Não Floresce na Monotonia”, projeto contemplado pelo prêmio Funarte Myriam Muniz de Teatro, com direção de Fábio Furtado.

Em 2007, o grupo lança o livro "Cia. Acômica - Na Sala dos Espelhos", um registro dos dez anos da companhia, que reúne, em seu conteúdo, parceiros e colaboradores, a fim de comemorar uma década de atividades teatrais desenvolvidas. Profissionais reconhecidos na área de artes cênicas são convidados a escrever artigos registrando suas experiências.Maria Thaís tece considerações acerca da trajetória de uma companhia de atores no Brasil, inserindo uma visão baseada no contexto nacional. Sara Rojo, por sua vez, faz uma análise do espetáculo "Lusco-Fusco ou Tudo Muito Romântico", destacando o texto do mesmo e o processo pelo qual passou, em seu desenvolvimento. Fernando Mencarelli faz também uma análise do teatro de grupo, evidenciando a importância da Cia Acômica para o cenário artístico mineiro. Em 2008, circulou com o espetáculo "Arena de Tolos" pelas cidades de Juiz de Fora, Montes Claros, Ipatinga, João Monlevade e Sabará.

Cia Acômica possui uma sede desde 2003, onde guarda materiais, figurinos e equipamentos. Este espaço serve também para treinamento, ensaios e pesquisa interna dos atores. Em 2007 realizou oficina "A pedagogia do Ator" com Luís Lerro, e o espaço foi cedido para ensaios e criação do espetáculo "O ar da história", de Poliana Costa, e das cenas "A debutante" e "O homem do fusca", projetos selecionados e apresentados no Cenas Curtas do Galpão Cine Horto de 2007 e 2008, com direção de Cláudio Márcio. Em 2006, abriu as portas do espaço para o ensaio aberto e a demonstração de processos do projeto Brasil-Itália. Ainda de 2008 a Cia. Acômica foi contemplada pelo prêmio Cena Minas e desenvolve na sua sede oficinas de Iniciação Teatral, Capoeira, Núcleo de Arte e Educação, além da apresentação de espetáculos.

Dados da Instituição
Tipo:
Grupo
Ano de Fundação:
1995
Telefone:
(31)3481-8524
Celular:
(31)8523-8550
E-mail:
ciaacomica@uol.com.br
Endereço:
Rua curi, 706 - são geraldo CEP: 31050660
Cidade:
Belo Horizonte
Estado:
MG
Integrantes/sócios:

Nelson da Silva Junior 

Dados do Responsável
Nome:
Nelson Bambam
Função na Instituição:
Coordenador
Telefone:
(31)3461-8524
E-mail:
ciaacomica@uol.com.br
Perfil da Instituição
Vinculada a entidade / associação:
Não
Possui publicações:
Não
Desenvolve produtos:
Não
<< Voltar
Centro de Pesquisa e Memória do Teatro do Galpão Cine Horto - Rua Pitangui, 3613 - Bairro Horto - Belo Horizonte - MG
Tel: 31 3481.5580 - portalprimeirosinal@gmail.com
---------------------------
Os créditos das fotos do cabeçalho se encontram na seção Quem Somos.
Facebook Twitter